A origem do Afrodisíaco

A origem do Afrodisíaco

O termo afrodisíaco data ao menos 5.000 anos.

A palavra afrodisíaco tem origem no grego “aphrodisiakós” relativo ou pertencente à afrodisia, que restaura as forças geradoras, ou excita os apetites carnais. E se lermos um pouco de Filosofia, verificará que existiu uma Deusa que provocava este apetite nos homens, Afrodite.

Derivado de Afrodite, a Deusa grega da beleza e do amor, os afrodisíacos compreendem bebidas, alimentos, odores, ervas e outras substâncias que incrementam a libido humana.
Os afrodisíacos podem influenciar esses sentidos singularmente ou em combinação entre eles. Os mais importantes receptores dos afrodisíacos são: visão, audição, olfato, tato e o último, mas não menos importante, a mente. Alguns pesquisadores admitem que diferentes espécies de ervas e de plantas são reconhecidas por incrementar o desejo sexual.
Dentre essas ervas e plantas estão, por exemplo; o Tribulus Terrestris, a Maca Peruana, a Catuaba e a marapuama, estas, têm maior concentração de princípios ativos que agem como afrodisíacos e estimulantes sexuais.

ALIMENTOS FRUTAS E ESPECIARIAS AFRODISÍACAS:

Açafrão: Torna as zonas erógenas mais sensíveis, tem enorme prestígio no oriente.

Alecrim: Atua na astenia e impotência é excelente como estimulante e revigorante atua também na memória.

Alho: Seu consumo cru propicia uma boa ereção e fluidifica o sangue.

Amendoim: Por ser rico em vitamina E, se consumido com regularidade sem excessos, aumenta a potencia sexual e reforça as energias.

Anis: Contém hormônios femininos que aumentam o desejo.

Canela: Estimula a ação dos estrógenos sobre os órgãos sexuais.

Catuaba: Como estimulante sexual foi comprovado por pesquisas médicas que facilita a ereção e funciona de forma muito parecida com o Viagra tradicional. Existem várias espécies no Brasil, apenas o da Bahia tem essa comprovação.

Chocolate: Por ser energético contribui para um melhor desempenho sexual e aumenta a paixão a excitação e a euforia.

Cravo da índia: Os cravos além de digestivos aumentam a libido é usado também como aromático em banhos eróticos, revigora as energias e o vigor.

Gengibre: Aumenta o fluxo de sangue aos órgãos genitais, aumenta o desejo sexual.

Ginseng: Assim como o gengibre ele aumenta a libido e melhora o desempenho sexual.

Hortelã: Aumenta a potencia sexual.

Mamão: Aumenta a libido na mulher, provoca a menstruação e a produção de leite.

Manjericão: Melhora a circulação sanguínea inclusive nas áreas erógenas, sendo seu aroma considerado excitante.

Mel: O mel é rico em vitaminas do complexo B que produzem a testosterona, curiosamente lua de mel é conhecida por esse nome porque os casais na antiguidade se preparavam para o casamento tomando mel diariamente, durante o mês que antecedia o enlace para serem mais felizes sexualmente.

Mostarda: É estimulante das glândulas sexuais.

Noz-moscada: Se consumida em pequenas doses, um quartinho de noz é suficiente para favorecer a ereção.

Pinhões: É rico em zinco, se misturados com mel e amêndoas são ótimos estimulantes sexuais.

Pimenta: Famosa desde a antiguidade, seu uso provoca a excitação sexual com um efeito tônico marcante.

Salsaparrilha : Misturada a comida restabelece a virilidade por conter testosterona em quantidade.

Temperos em geral como: pimenta, pimentão, cravo, canela, coentro, gengibre, manjericão, Cury,orégano, açafrão, funcionam como verdadeiros Viagras naturais.

Zinco: É um mineral poderoso necessário para que o homem tenha energia e vitalidade, age no sistema imunológico, na cicatrização de feridas e alimenta as glândulas sexuais masculinas produtoras da testosterona. O zinco pode ser encontrado de forma natural na semente de abóbora é a principal por conter maior concentração, mas pode ser encontrada também no brócolis, aveia, ervilha, levedo de cerveja, castanha do pará, pinhões, amêndoas, e cogumelos.